A onda conservadora

Tenho pensado sobre essa onda conservadora que assola o mundo e o Brasil com suas bandeiras reacionárias.  A direita, cuja única ideologia é manter os privilégios das classes dominantes em detrimento do resto do povo, parece que está assanhada no mundo todo. Ressuscitando ou expandido questões como o racismo, a homofobia e o sexismo.

Aqui no Brasil estamos há 8 anos sob um governo de esquerda que visivelmente melhorou a vida dos mais pobres, houve avanços em todos os setores e foi também um período em que o conservadorismo vem tentando ganhar mentes e corações para suas causas. Explico: o braço religioso da direita, o fundamentalismo cristão insufla nos seus seguidores a misoginia, o sexismo contra as mulheres e com o pretexto de proteger a ‘sagrada’ família, a homofobia. Mas o que me parece estar por trás dessa onda  misógina e homofóbica  é a tentativa de tapar os olhos das pessoas para questões, que fariam avançar ainda mais as conquistas do povo.

E as mulheres parecem ser o alvo preferencial desses retrógrados da direita e seus representantes cristãos.  Os direitos reprodutivos das mulheres são sempre questionados por essa direita, que com isso reforça o preconceito que sempre existiu nas religiões patriarcais de que as mulheres não são seres humanos. Temos o estatuto do nascituro que reduz a mulher a uma máquina de parir, onde sua vida não é levada em consideração, onde ela é apenas uma incubadora   _ crença essa que vem lá da idade média, onde os homens acreditavam que as mulheres eram apenas o receptáculo da semente masculina, não contribuindo em nada para a fecundação, apenas emprestando seu corpo para a geração do feto, que pertence unicamente ao homem _  e como tudo que vem do homem é sagrado, e da mulher em contrapartida não, o feto de propriedade do homem , torna-se um valor mais alto e precioso do que a vida da mulher que o gera, ainda mais sob a possibilidade de que esse feto seja do sexo masculino, então a lei do estatuto é para proteger essa possibilidade. E mesmo se a gravidez é fruto de um estupro, o homem estuprador tem seus direitos sob o seu feto ( sua preciosa semente ) garantido em detrimento da mulher agredida, uma vez que para os conservadores fundamentalistas a mulher é a personificação do mal e do pecado, o estupro nada mais é do que a conseqüência disso. Li que nos EUA, o estado de Utah aprovou uma lei que criminaliza o aborto espontâneo que lá se chama miscarriage. Só está faltando isso no Brasil. Que os fundamentalistas também queiram punir as mulheres que sofrem aborto.

Penso que tudo isso é um bem articulado programa de direita para dissimular para todos nós o que realmente está em jogo e barrar as mulheres, que com certeza estão em todos os movimentos de transformação da sociedade e por serem as que mais sofrem com o capitalismo, com a exploração. E são as que se levantam para aderir a todo movimento de luta social. Alguém já disse que o feminismo é a verdadeira revolução. E patriarcado, a direita, os conservadores, os religiosos querem impedir essa revolução.

As bandeiras feministas detonam com tudo isso que sustenta a dominação e exploração das mulheres e por tabela, a de todos os seres humanos. E por isso a direita sempre ressuscita as mesmas questões e cada vez com mais truculência.  E o corpo da mulher é sempre o alvo preferencial deles. Não é coincidência que hoje a indústria do sexo seja a terceira em produzir lucros para capitalistas ávidos por eles. E um ser humano pode ser explorado até á exaustão e sempre pode ser substituído com facilidade. E as mulheres, como não podiam deixar de ser, são as maiores vítimas dessa indústria. A maioria dos seres humanos traficados para exploração sexual, são mulheres, crianças e adolescentes.

E o patriarcado, a direita, os conservadores, os capitalistas seguem com seus representantes e suas bandeiras opostas, mas que se complementam: os fundamentalistas cristãos combatendo o direito da mulher ao seu corpo de um lado, e os capitalistas explorando o corpo da mulher na indústria do sexo do outro. Ambos afirmando a supremacia do homem, tanto numa forma de reduzir a mulher a um corpo, quanto na outra. E nós sempre tendo que voltar ao mesmo debate, aos mesmos assuntos e lutar pelos mesmos direitos.

E existem as mulheres recrutadas para servir aos interesses desses homens capitalistas, conservadores, patriarcas, religiosos. Essas fazem o trabalho sujo também.  Se posicionam contra a despenalização do aborto, assumem a inferioridade da mulher pregada nas religiões (  Sarah Palin lá, as candidatas contra o aborto aqui, por exemplo ) e outras vão para a indústria do sexo para explorar  mulheres. Isso torna a luta de nós feministas ainda mais árdua, porque confunde as mulheres que vendo mulheres se colocando ao lado dos seus exploradores, não conseguem identificar contra quem estão lutando ou se deveriam fazê-lo. Ou até pensam que o melhor é se juntar a eles.

E as que defendem o interesse dos opressores não se elevam para a classe deles, apenas ficam com as sobras,  apenas contribuem com sua subserviência para manter todas as outras no lugar que o opressores desejam, apenas prejudicam a maioria das mulheres que não tem o respaldo, como elas, de estarem perto dos poderosos. Subserviência essa alimentada pelas religiões e por toda as estruturas de dominação do patriarcado que criam nas mulheres  o auto-ódio e a crença na sua própria inferioridade e o medo de não se enquadrarem nesses estereótipos, de não serem mais aceitas e as punições que sofreriam por isso , porque obviamente essas mulheres não estão defendem outras mulheres ou lutam pelos nossos interesses, mas sim pela manutenção do poder patriarcal sobre nós e sobre elas mesmas.

Homens x mulhres, brancos x negros, pobres x ricos, hetero x homo, crianças x adultos, cristão x judeu x muçulmano …  Essa é a dicotomia do privilégio. O Feminismo quer que não exista nenhum privilégio. O Feminismo quer a igualdade.

Com tantos backlashes, tantas reviravoltas, as feministas tem que estar sempre alertas, não podemos deixar a peteca cair. Agora mais do que nunca.

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Ric
    abr 22, 2012 @ 11:05:52

    É verdade, os conservadores e cristãos são mal de tudo, bonito mesmo é um sistema educacional que ensina os filhos a dar o rabo pra gays e um monte de vagabundo parasitando o governo com bolsa-esmola não é?

    Lindo esse mundinho de vocês…

%d blogueiros gostam disto: