Islândia: o país mais feminista do mundo

Uma amiga me mandou essa ótima reportagem sobre a Islândia:

A Islândia está rapidamente se tornando um líder mundial no feminismo. Uma pequena ilha pertencente ao continente europeu com uma população de 320.000 habitantes, que está à beira de alcançar o que muitos consideravam impossível: fechar a indústria do sexo.

Enquanto ativistas na Grã-Bretanha na batalha na tentativa de regular os clubes lap-dance – cujo número tem crescido a um ritmo alarmante na última década – a Islândia aprovou uma lei que encerrará as atividades dos clubes de strip no país, bem como a contratação de garçonetes topless: a lei, que foi aprovada sem votos contra e apenas duas abstenções, irá torná-lo ilegal qualquer negócio que lucre com a nudez de seus empregados.

Ainda mais impressionante: o Estado nórdico é o primeiro país no mundo a proibir o tráfico e lap-dancing por razões feministas, e não religiosas. Kolbrún Halldórsdóttir, a ministra que propôs a proibição, com firmeza, disse à imprensa nacional no dia 24 de março: “Não é aceitável que as mulheres ou as pessoas em geral virem um produto a ser vendido”. Quando perguntada se acha que a Islândia se tornou o país mais avançado nas causas feministas do mundo, ela respondeu: “Certamente estamos lá em cima. Principalmente com os resultados dos grupos feministas que vem colocando pressão sobre os parlamentares. Essas mulheres trabalham 24 horas por dia, sete dias por semana com as suas campanhas e, eventualmente, filtros para toda a sociedade”.

A notícia é um verdadeiro impulso para as feministas de todo o mundo, mostrando que quando um país inteiro se une por trás de uma idéia qualquer coisa pode acontecer. Segundo a polícia islandesa, 100 mulheres estrangeiras viajam para o país anualmente para trabalhar em clubes de strip. Não está claro se as mulheres são traficadas, mas os grupos feministas dizem que a indústria de tráfico tem crescido, mas não o número de mulheres islandesas querendo trabalhar com isso. Os defensores do projeto dizem que alguns dos clubes que são uma fachada para a prostituição – e que muitas das mulheres trabalham lá por causa do abuso de drogas e pobreza, em vez de livre escolha.

E como a Islândia consegue lidar com isso? Para começar, o país tem um movimento forte feminino e um elevado número de mulheres na política. Quase metade dos parlamentares são mulheres, e foi classificado em quarto lugar entre 130 países no índice internacional Gender Gap (atrás da Noruega, Finlândia e Suécia). Todos estes quatro países escandinavos, em certa medida, criminalizaram a indústria do sexo (legislação que o Reino Unido irá adotar no dia 1 de Abril). “Uma vez que você quebra esse teto de vidro do passado,  e tem mais de um terço de mulheres na política”, diz Halldórsdóttir, “muda alguma coisa. Essa energia feminista parece permear tudo.”

Johanna Sigurðardóttir é a primeira mulher, na Islândia e no mundo, a chefiar um estado e ser assumidamente lésbica.  A Primeira-Ministra participa de campanhas contra a violência sexual,  estupro e a violência doméstica: Johanna é uma grande feminista que desafia os homens de seu partido, e recusa sentir-se oprimida por eles.

Depois, há o fato de que as feministas na Islândia parecem ser inteiramente unidas na oposição à prostituição, ao contrário do Reino Unido, onde debates acalorados sobre a  prostituição e lap-dancing são degradantes para as mulheres. Há também o apoio do público: a proibição da atividade sexual comercial, não só é suportado pelas feministas, mas também grande parte da população. Uma pesquisa de 2007 descobriu que 82% das mulheres e 57% dos homens apoiam a criminalização de pagar por sexo – ou em prostíbulos ou clubes de lap-dance – e menos de 10% dos islandeses se opunham.

Jónsdóttir diz que a proibição pode significar a morte da indústria do sexo. ”No ano passado, aprovamos uma lei contra a compra de sexo, introduzimos recentemente um plano de ação sobre o tráfico de mulheres, e agora temos que fechar a clubes de strip. Os países nórdicos estão liderando o caminho para a igualdade das mulheres, reconhecendo as mulheres como cidadãos iguais e não de mercadorias para venda”.

Proprietário de clubes de strip, não surpreendentemente, estão furioso com a nova lei. Em uma entrevista a um jornal local no qual ele comparou a abordagem da Islândia para que um país como a Arábia Saudita, onde não é permitido ver qualquer parte do corpo de uma mulher em público. Um proprietário diz: “Cheguei à idade em que eu não tenho certeza se quero preocupar-me com este incômodo mais”.

Janice Raymond, diretora da Coalizão Contra o Tráfico de Mulheres, espera que todos os especuladores da indústria do sexo se sintam da mesma forma, e acredita que a nova lei irá pavimentar o caminho para governos de outros países a segui-la. ”Uma vitória não apenas para os islandeses, mas para todo o mundo, todos os que repudiam a exploração sexual das mulheres”, diz ela.

Jónsdóttir está confiante de que a lei vai criar uma mudança de atitudes em relação às mulheres. ”Eu acho que os homens da Islândia, apenas terão de se acostumar com a idéia de que as mulheres não estão à venda.”

http://www.guardian.co.uk/lifeandstyle/2010/mar/25/iceland-most-feminist-country

In http://paradalesbica.com.br/2010/04/islandia-o-pais-mais-feminista-do-mundo/

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Isolda
    abr 17, 2011 @ 18:46:39

    muito foda ^_^!!! Quando o movimento feminsita é unido e bem organizado,a gente progride.Por isso que sempre falei e continuo falando,mesmo sendo mal interpretada,que a gente tem que parar,sentar e pensar em formas de trazer as mulheres para o movimento feminista e nos armarmos contra mulheres machistas( além de parar de ficarmos negando a existência destas).Eu até estou começando a ver as proprias feministas reagindo ás mulheres conservadoras e reconhcendo o quanto são destrutivas para o movimento feminista e em nehuma hipótise consideram a oposição feita á elas como antiética ou “traição ás mulheres”,em artigos publicados em foruns feministas britânicos,como o Genderberg.

    Em termos de Brasil eu acho super difícil chegramos a este ponto;me dá angustia ver tanta indiferença por parte de muitas mulheres…é uma questão de organização e elaboração de marketing para conseguirmos progredir.

%d blogueiros gostam disto: