Bispo da Igreja Católica culpabiliza mulheres estupradas

“Vamos admitir até que a mulher tenha sido violentada, que foi vítima… É muito difícil uma violência sem o consentimento da mulher, é difícil”, bispo dom Luiz Gonzaga Bergonzini

Esta igreja que acoberta padres pedófilos em nome da preservação da imagem imaculada da “santa” madre igreja, ataca o kit anti-homofobia como sendo uma arma para “aliciamento e molestamento sexual pró-sodomia”, associando a orientação sexual dos homossexuais com pedofilia. Um absurdo quando sabemos que o kit é para combater o preconceito de que são alvo os homossexuais e lésbicas. Se a PL122 já tivesse sido aprovada, esse bispo poderia ser acusado de homofobia.

Mas como se não bastasse sua pregação homofóbica, esse representante da igreja, é capaz de sandices como afirmar que as mulheres estupradas são culpadas pelo estupro que sofrem, ou melhor dizendo, afirma que são cúmplices. Esse tipo de afirmação leviana, vindo de uma autoridade eclesial tem que ser repudiado, pois faz apologia ao estupro tanto quanto a piada sem graça e tosca do humorista Rafael Bastos.

No Brasil, a cada 12 segundos, uma mulher é estuprada e menos de 10% dos casos julgados de estupro levam à condenação justamente porque a palavra da vítima é desqualificada. Embora o bispo minimize a violencia sexual de que são vítimas as mulheres, basta ler esse estudo para que se tenha uma noçao do quanto pode  ser traumático o estupro Mais uma vez, a piedosa igreja, demonstra que sua piedade e caridade não se dirige às mulheres e às crianças, pois são as mulheres as primeiras a serem sacrificadas (e na história do catolicismo, literalmente durante a inquisição) para a manutenção do dominio patriarcal que quer a apropriação dos corpos das mulheres e fica patente a hipocrisia desses representantes da “defesa” da vida, que sacrificam a dignidade das crianças aos seus interesses sempre que um padre de sua igreja se envolve em práticas condenáveis.

As religiões todas não tem outra função neste mundo a não ser a manutenção do patriarcado. Fica claro a cada vez que pastores e padres se pronunciam contra a legalização do aborto, banalizam o estupro enquanto violencia contra a mulher, a pregação homofóbica que fazem, a sua constante afirmação das diferenças de gênero, da heteronormatividade com a desculpa da defesa da família; nada tem a ver com amor, caridade e sim com a manutenção dos privilégios que esses líderes religiosos conquistaram perante a sociedade e do poder patriarcal.

E para isso não se furtam a atacar mulheres, homossexuais, lésbicas e famílias homoafetivas pois todos aqueles que desobedecem os seus preceitos (as mulheres que tem vida sexual ativa, as que engravidam fora do casamento, os gays e lésbicas) merecem segundo esses caridosos religiosos a condenação e a execração. E mulheres estupradas para a igreja são culpadas, porque sempre tratou o corpo feminino como a matriz do pecado original e por isso mesmo, condenam a mulher que sofre a violência ao invés de condenar a violência e o agressor. Solidariedade só para padres que abusam de crianças, esses são prontamente perdoados e protegidos pela igreja. Proteção essa, paga a peso de ouro com indenizações às custas do dinheiro dos dízimos e ofertas dos fiéis.

Infelizmente, é essa mesma igreja (e igrejas evangélicas incluídas) que está fazendo do governo e do legislativo reféns da imposição de sua visão de mundo retrógrada, que desrespeita os direitos humanos das mulheres e dos homossexuais e lésbicas.

Como se não fosse pouca coisa sofrermos o estupro, temos que lidar com a violência moral que a igreja com sua pregação misógina nos impõe com seu desprezo pela mulher vítima de violência sexual.

A defesa do estado laico, é uma necessidade hoje, como nunca antes no Brasil.

Só para esclarecer:

8 Comentários (+adicionar seu?)

  1. yume
    dez 25, 2011 @ 15:21:39

    Bom,detalhes: Igreja Católica é muito grande e não é 100% de fiés(ou seja lá o nome) que louva Papa e segue á risca ensinamentos.Existe sim gente a favor de aborto em determinadas ocasiões;o que é argumentado é a propaganda irresponsável de aborto como se fosse uma decisão fácil de ter tomada,sem consequências fisicas e pscológicas para a mulher.Pra vc ver como acoisa não é tão medieval como tantas feministas pregam,tem gays católicos,apesar da ICAR ( Vaticano,para ser mais exata…nem todo eclesiástico é uma céfalo que vive na Idade Média) dizer que é “pecado” e bostas afins.

    Ser católica nunca impediu uma mulher de abortar.E na questão de estupro,não existe nenhuma pregação a favor,ou incentivo,só vejo manifestos anti-pornografia relacionando-a com este ato hediondo( nem mais discursos moralistas tem,vão direto ao ponto da violência contra mulher).Existem também trabalhos de recuperação de mulheres prostituídas( como o do Frei Beto) sem também cair nas rédeas do moralismo.E mais: existe luta para o ordeamento de mulheres.

    Resumindo: não seja mais tão generalista.Assim como feminitas não gostam de ser generalizadas e silenciadas,religiosos também não e merecem ser tão ouvido quanto as mesmas.

    • arttemiarktos
      dez 31, 2011 @ 19:21:00

      Aqueles que se denominam católicos tem o Papa como representante do deus na Terra e a igreja como a única depositária da vontade e da palavra do deus, logo, todos católicos tem o Papa como guia e mestre espiritual. Existem católic@s a favor da legalização do aborto? Sim. Já ouviu falar do movimento Católicas pelo direito de decidir? Mas todas essas pessoas que são católicas e a favor da legalização do aborto, sabem ou deveriam saber que estão contrariando a doutrina da sua igreja, pois essa prega que o aborto não deveria existir em nenhuma hipótese.

      Existem gays católicos, espíritas, evangélicos, muçulmanos, judeus e etc…Mas para todas essas religiões a homossexualidade, ou como essas igrejas se referem, o homossexualismo, é contrário ás leis do deus e por isso condenam a prática do sexo fora dos padrões hetero. Na igreja católica, por exemplo, o homossexual é aceito e bem-vindo se for celibatário, ou seja, renunciar a prática do pecado segundo a pregação da igreja. Se não, está proibido de se confessar e receber os sacramentos. Não conheço nenhuma organização feminista que faça propaganda irresponsável do aborto. As feministas sempre aliaram sua luta pela legalização com a educação sexual, a assistencia integral à maternidade, o planejamento familiar.

      Religião nunca impediu que a mulher desesperada com uma gravidez indesejada, não abortasse. Católicas abortam, espíritas abortam, evangélicas abortam… Apenas torna a decisão ainda mais difícil, porque a igreja defende a criminalização da que aborta e ameaça com a excomunhão a mulher e a quem a ajudar com o aborto.

      Existem religiosos e religiosas, mas a igreja é uma instituição misógina, patriarcal e hierárquica queira voce reconhecer isso ou não. Quer saber como a igreja trata os que falam contra ou contestam suas doutrinas? Impõe o silêncio, como fez com a teóloga Ivone Gebara, procure saber mais sobre ela.

      A igreja católica se aliou aos evangélicos, na camara dos deputados e senado, na frente pela família e vem tentando aprovar leis que restringem ainda mais os direitos das mulheres e lgbt’s.

  2. yume
    nov 19, 2011 @ 23:53:03

    Só complementando: crescimento dos estupros no RJ: agradeçam á cultura do Funk,que diariamente nos chamam de cachorras,e afins e nosso carnaval cheio de mulheres nuas se oferecendo como mercadorias com um soriso no rosto.O que acham que aconteceria com nós,mulheres cariocas?

    Só tenho visto a brasileira afundar na lama ostentando um sorriso no rosto e cuspíndo nas feministas.

    • arttemiarktos
      dez 06, 2011 @ 12:22:54

      O estupro cresce porque vivemos numa sociedade patriarcal misógina e sexista onde impera a impunidade contra os estupradores e se tolera a exploração sexual da mulher em todos os meios não só no funk, como na mídia, na publicidade e etc. Outros gêneros musicais também tem letras sexistas não só o funk, este apenas é mais explícito.

  3. yume
    nov 19, 2011 @ 23:47:41

    Viagem de ácido deste maníaco que se auto-declara bispo.E o pior: faz as pessoas acreditarem que o catolicismo prega estupro e/ou culpabiliza as mulheres.Que loucura!É mais fácil alguém ouvir de um católico que um sujeito destes (estuprador) vai queimar no inferno do acusações á mulher violentada!
    Quem defende ou se simpatiza com estuprador é porque é um enrustido!

    • arttemiarktos
      dez 06, 2011 @ 12:20:27

      A posição da Igreja Católica é muito clara quanto à questão do aborto: não deveria existir em hipótese alguma, mesmo na questão do estupro e risco de vida para a mulher. Logo, como defendem essa visão misógina e conservadora, culpar a mulher vítima de um estupro é um argumento usado para que em caso de gravidez por estupro, a mulher seja obrigada a levar a gravidez adiante uma vez que o foi causadora da própria violação. O catolicismo juntamente com todas as religiões patriarcais monoteístas prega uma visão androcentrica do mundo.

  4. yoshie
    jun 21, 2011 @ 02:20:47

    segundo o blog do bispo


    Criminoso culpado. Só um insano diria que a mulher é culpada pelo estupro. A violência contra a mulher é mostrada diariamente pela imprensa. As mulheres, de qualquer idade, são atacadas, brutalmente violentadas e assassinadas por maníacos sexuais em praças, vias públicas, locais mal iluminados e até em casa. A lei presume a violência em crimes de estupro praticados contra menores e pessoas especiais. Jamais afirmamos que a mulher não é a vítima. O criminoso é o culpado pelo crime que ele cometeu. ”

    Estou vendo tão mal assim ou o povo daqui NÃO sabe ler?

    • arttemiarktos
      jun 21, 2011 @ 12:36:45

      Parece que tem gente que lê e não entende:

      “Vamos admitir até que a mulher tenha sido violentada, que foi vítima… É muito difícil uma violência sem o consentimento da mulher, é difícil”, comenta. O bispo ajeita os cabelos e o crucifixo. “Já vi muitos casos que não posso citar aqui. Tenho 52 anos de padre… Há os casos em que não é bem violência… [A mulher diz] “Não queria, não queria, mas aconteceu…””, diz. “Então sabe o que eu fazia?” Nesse momento, o bispo pega a tampa da caneta da repórter e mostra como conversava com mulheres. “Eu falava: bota aqui”, pedindo, em seguida, para a repórter encaixar o cilindro da caneta no orifício da tampa. O bispo começa a mexer a mão, evitando o encaixe. “Entendeu, né? Tem casos assim., do “ah, não queria, não queria, mas acabei deixando”. O BO é para não facilitar o aborto”, diz.”

      Esse Bispo foi bem claro na sua exposição misógina, ao afirmar que as mulheres não são vítimas de estupro porque consentem e que se utilizam de uma lei que permite que abortem ao engravidar de um estupro, para conseguir fazer um aborto que em outras circunstâncias lhes é negado. Acusou as mulheres de serem duplamente mentirosas, uma quando denunciam o estupro e outra quando vão exercer seu direito ao aborto.

      Mais claro impossível.

      Essa é a triste realidade desse país machista, sexista e misógino em que nós mulheres brasileiras vivemos:

      Número de estupros no RJ cresceu 25% em 2010, diz ISP

      Número de estupros em Minas cresce mais de 100% em 2010

      Cresce o número de estupros na região metropolitana do estado

      Esse Bispo, com suas declarações, está legitimando a violencia que todas sofreram. E é por serem desacreditadas como vítimas, que muitas mulheres não denunciam o crime.

%d blogueiros gostam disto: