Sobre estupro


O QUE É ESTUPRO?

polls_stop_rape_280_362433a_0748_620232_answer_1_xlarge

Estupro, em poucas palavras, é qualquer forma de relação sexual sem consentimento. Ele não tem que envolver a penetração. Contanto que você diga não, é estupro. Mesmo se estiver em uma posição onde você não pode dizer não ( como estar inconsciente , por exemplo, ou chantageado ) [ou alcoolizada ou drogada] , é estupro.

O estupro é sexo contra a sua vontade.
Estupro acontece de muitas formas :
• Vc pode ser atacada .
• Você pode ser chantageada ou colocada numa situação que envolva sentimento de culpa.
• Você pode ser drogada para facilitar o estupro.
• Você pode ser violada com um pênis ou um vibrador .
• Você pode ser violada com um vegetal.
• Você pode ser violada com um dedo.

Pode ser coito vaginal. Pode ser violação anal . Pode até ser estupro oral.

No final, ainda é estupro .

Aqui vai uma dica :

Ainda é estupro , mesmo se você começar por dizer “sim” , mas , em seguida, disser “não” . Tudo o que acontece depois de você ter retirado o consentimento é estupro.

É uma agressão sexual.

543021_389538797787826_934714304_n

Tipos de estupro

O estupro acontece de várias formas:
• Estupro no encontro/por pessoa conhecida

• Estupro quando foi drogada [conhecido aqui como boa noite cinderela]

• estupro no casamento

ESTUPRO NO ENCONTRO/POR PESSOA CONHECIDA

date-rape-2

O que é estupro no encontro/por pessoa conhecida ?

Estupro no encontro/por pessoa conhecida é estupro por alguém que você acabou de conhecer ou seja conhecido, embora também possa ser aplicado a situações em que você sai para um encontro com alguém.

É a relação sexual sem consentimento. Enquanto não houver consentimento (sendo incapaz de dizer não, não é considerado como consentimento ), então é estupro.

EnsinemHomensARespeitar_MarchaDasVadiasBrasilia
ESTUPRO QUANDO FOI DROGADA (CONHECIDO AQUI COMO BOA NOITE CINDERELA)

O que é o estupro quando foi drogada/boa noite cinderela?

Estupro quando foi drogada é geralmente cometido pelo estuprador colocando um comprimido ou pílula em sua bebida sem o seu conhecimento . Existem vários tipos de fármacos utilizados .

Atualmente, o mais comum é RohypnoI – que funciona dopando a vítima.

Rohypnol é um tranquilizante muito potente de natureza semelhante ao Valium, mas muitas vezes mais forte. A droga produz um efeito sedativo , amnésia, relaxamento muscular e uma desaceleração das respostas psicomotoras, fazendo a sobrevivente ter tonturas, sonolência incomum, tendo problemas com coordenação e parecendo bêbada.

Isso ocorre cerca de 20-30 minutos depois de ter tomado a droga e dura por várias horas.

Os efeitos da droga só permanecem no corpo por um curto período de tempo, por isso, se suspeitar que tenha sido vítima de boa noite cinderela, vá ao hospital ou posto de polícia o mais rápido possível e peça para ser testada.

Porque drogas, como Rohypnol afetam a memória às vezes e as sobreviventes têm dificuldade em recordar o que aconteceu ou quem é/são o(s) autore(s) da violência.

A droga deixa o corpo muito rapidamente. Se você acha que foi estuprada, faça um boletim de ocorrência, vá ao hospital ou chame uma linha de ajuda às mulheres.

ESTUPRO NO CASAMENTO

O que é o estupro no casamento ?

Estupro conjugal/estupro no casamento acontece nas relações conjugais. A mulher é forçada pelo cônjuge/parceiro a se envolver em atividades sexuais contra a sua vontade.

O que devo saber sobre o estupro no casamento?

  • Você tem o direito de dizer “não” ao sexo e solicitações sexuais e demandas em seu casamento. O mesmo acontece com o seu parceiro.
  • O sexo contra a sua vontade ainda é estupro, não importa quem o faz.
  • O casamento é uma união de duas pessoas, não a dominação de uma pessoa sobre a outra.
  • Só porque voce está casada, não significa que tem que desistir do direito a seu corpo e de suas vontades em favor do seu parceiro/marido.
  • Casamento não é uma licença para ser submetida às exigências sexuais do seu parceiro o tempo todo.

In ABOUT RAPE

Textos relacionados:

Mitos e fatos sobre violência sexual

Não à bolsa-estupro: ensine os homens a não estuprarem e garanta o direito das mulheres ao aborto

Vítimas de estupro têm direito a fazer aborto pelo SUS independente de registro policial

O que fazer em casos de estupro?

Como as ações feministas e as ações antiprostituição estão realmente interligadas?

Devemos nos preocupar se a Pornografia sequestrou nossa sexualidade?

A cada 12 segundos uma mulher é estuprada no Brasil

Date rape: tem que ver isso aí

Então o mundo está cheio de psicopatas

Abuso sexual não tem graça

This is not a invitation to rape

Vadia, puta, vagabunda e rodada.

Estupro e transtorno de estresse pós-traumático: aspectos epidemiológicos e clínicos

Cultura do estupro

Female students must be made safer

Isso não é um convite para me estuprar!

Violência contra as mulheres: a situação

Fazer sexo com alguém bêbado é estupro

Culpem o estuprador, não a vítima

Estupro LEI Nº 12.015

Os homens que não amam as mulheres_O estupro coletivo de Queimadas

Amgs, cês são mulheres? Não? Então, calados.

Quem me estuprou

“Sou fruto de estupro e a favor do aborto”

O que é o consenso sexual?

 Desconstruindo a cultura do estupro

526994_263837050393857_343790372_n

Mitos e fatos sobre violência sexual


‘“cultura do estupro”, que quer dizer a cultura em que as mulheres estão sendo constantemente ameaçadas de estupro e relações sexuais normais são deformadas para que os homens procurando mulheres para estuprar seja considerado a norma. Cultura do estupro é uma cultura em que homens são encorajados a tomar sexo de suas parceiras independentemente de consentimento e as mulheres a serem objetos sexuais passivos para estes homens. Mulheres são valorizadas por nada além de sua capacidade de serem adequados brinquedos de foder  para homens no comando.”

MITO: A principal motivação para o estupro é sexo.
FATO: A motivação para o estupro é agressão e poder, e não sexo. Estupradores têm um desejo de dominar, humilhar e degradar as suas vítimas. Estupro não é o resultado de desejo sexual reprimido, pois muitos estupradores relatam que não desfrutam do ato sexual em si, durante o estupro. Na verdade, a maioria dos agressores têm acesso a relações sexuais com um cônjuge ou parceiro.

MITO: As pessoas são vítimas de violência sexual porque “pedem por isso” de alguma forma.
FATO: As tentativas de transferir o fardo da culpa do agressor para a vítima/sobrevivente implicando que “ela/ele pediu por isso” são comuns. Não há nada que uma pessoa faça ou deixe de fazer para “merecer” uma agressão sexual – a maneira como uma pessoa se veste, a quantidade de consumo de álcool, ou seu histórico sexual são freqüentemente usados como desculpas para justificar o comportamento do estuprador. Culpando a vítima/sobrevivente, a atenção é direcionada para longe do estuprador, diminuindo a responsabilidade do agressor pelo ataque. Culpar uma pessoa pelo estupro que sofre  por causa de seu comportamento ou o que usa é como culpar um banco por ser assaltado, por ter “tentado” o ladrão com todo aquele dinheiro.

MITO: Uma pessoa quase sempre pode  impedir um estupro, resistindo ao agressor.
FATO: Cada agressão sexual é única e a questão da resistência e submissão deve ser avaliada  individualmente. Resistência poderia deter um ataque ou poderia presumivelmente aumentar as chances de uma lesão e, talvez, resultar em morte. A vítima/sobrevivente precisa fazer o que quer que elas se sintam confortáveis a fazer para livrar a si mesmas da situação. A pessoa deve confiar em seus instintos e tudo o que fizer é correto para ela naquele momento. Mesmo que a pessoa se submeta, isso não significa um consentimento, de fato, pode significar a diferença entre viver ou morrer.

MITO: Muitas pessoas falsamente relatam um estupro como forma de vingança ou para obter atenção.
FATO: Denúncias de estupros são verdadeiras, com muito poucas exceções. A taxa de “falsas denúncias” de estupro (histórias inventadas) é de 2% a 3%, não sendo diferente da de outros crimes. (Schafran, L.H. (1993). “Writing and reading about rape: A primer.” St. John’s Law Review, 66, 979-1045). A concepção generalizada de uma suposta alta taxa de denúncias falsas de estupro pode ser relacionada com a observação sobre os baixos índices de condenação para os estupradores.

MITO: Os estupradores são facilmente identificáveis por sua aparência física, ações ou palavras.
FATO: Não existe um perfil padrão físico ou mental que defina um estuprador. Um estuprador pode ser alguém de qualquer idade, raça, situação econômica, sistema de crença ou cultura. Embora o estereótipo do estuprador como um estranho mentalmente perturbado seja a crença na nossa sociedade, estupros por pessoas que a vítima não conhece representam apenas cerca de 20% de todas as violências sexuais e, mesmo assim, o estranho que estupra pode não ser uma pessoa mentalmente perturbada. A grande maioria dos estupradores são pessoas que a  vítima/sobrevivente conhece, pessoas que ela/ele vê no dia-a-dia.

MITO: Mulheres devem sexo para os homens em algumas circunstâncias.
FATO: O sexo não é uma mercadoria a ser comprada e vendida, nem ninguém é dono da sexualidade alheia. Em vez disso, deveríamos ter a liberdade de fazer escolhas sexuais, independentemente das circunstâncias. Pagar um jantar  ou um cinema não dá a alguém o direito de exigir sexo como reembolso, nem ninguém deve se sentir obrigada a fazer sexo por causa disso.

MITO: Apenas pessoas jovens ou bonitas são agredidas sexualmente.
FATO: Vítimas/sobreviventes de um estupro variam de alguns meses a 90 anos de idade e de todas as formas, tamanhos e raças. Estupradores tendem a escolher vítimas pela percepção de sua vulnerabilidade e disponibilidade, sem levar em conta a aparência física. Atribuir o estupro a uma atratividade da vítima/sobrevivente perpetua o mito de que o estupro é principalmente motivado pelo desejo sexual. Este mito coloca de forma inadequada a culpa e a responsabilidade sobre a vítima/sobrevivente por causa de seus atributos físicos.

MITO: Quando uma mulher diz “não”,  ela na verdade quer dizer “sim”.
FATO: Este mito é comum em situações de encontro/namoro. Quando uma pessoa diz “não”, o parceiro deve assumir que isso significa nada além de um “não”. Também é vital ressaltar que se uma pessoa não explicíta seu consentimento ao  ato sexual, na forma de um sim ou expressões semelhantes, isso quer dizer que a pessoa não está consentindo. No interesse da pessoa, silêncio deve ser tomado como um “não” ao invés de ser interpretado como consentimento. Estupro não é uma questão de falta de comunicação, mas a comunicação é vital em situações sexuais.

In Myths & Facts About Sexual Assaults

Tradução: Arttemia Arktos

Textos relacionados:

Date rape: tem que ver isso aí

Então o mundo está cheio de psicopatas

Abuso sexual não tem graça

This is not a invitation to rape

Vadia, puta, vagabunda e rodada.

Estupro e transtorno de estresse pós-traumático: aspectos epidemiológicos e clínicos

Cultura do estupro

Female students must be made safer

Devemos nos preocupar se a Pornografia sequestrou nossa sexualidade?

Isso não é um convite para me estuprar!

Violência contra as mulheres: a situação

Fazer sexo com alguém bêbado é estupro

Culpem o estuprador, não a vítima

Estupro LEI Nº 12.015

Os homens que não amam as mulheres_O estupro coletivo de Queimadas

%d blogueiros gostam disto: