Por que feminismo radical?


Porque os orgasmos dos homens não são mais importantes que:

bebês.
animais.
as mulheres.
sanidade.
direitos humanos.
objetos inanimados que os homens fetichizam.

Porque as mulheres não são:

matrizes de reprodução.
empregadas domésticas.
bonecas de prazer.
prostitutas felizes.
objetos.
vagabundas, vadias *.
sujas.
a raiz de todo mal.
sacos de pancada.
perfeitas vítimas de assassinato.
santas.
putas.

Porque a prostituição não é:

empoderador.
uma escolha.
uma maneira rápida e fácil de ganhar dinheiro.
um caminho mais fácil.
não traumatizante.
uma questão de consentimento.
um trabalho como qualquer outro.
bom para algumas mulheres.
trabalho.

Porque ser mulher não é redutível a:

O que veste.
os nossos penteados.
o que nós consumimos.
o tamanho do nosso corpo.
quão forte nós somos.
uma performance.
uma idéia na cabeça de um homem.
que tipo de veículo dirigimos.
se nós pintamos nossas unhas ou não.
se nós amamos as mulheres ou homens ou ambos ou nenhum.
estereótipos.

Porque as crianças não são:

trabalhadoras infantis do sexo.

Porque vítimas de tráfico sexual não são:

Profissionais do sexo migrantes.

* Nenhuma mulher é uma vadia, nem mesmo VOCÊ,  ‘vadia’ das marchas.

In Anti-porn Feminists

Tradução: Arttêmia Arktos

Textos relacionados:

Radical feminism: Just making it up as we go along.

Feminismo Radical História Política Ação – Robyn-Rowland-e-Renate-Klein-parte

Introdução de “Radical Feminism Today”
Denise Thompson

Feminismo Radical – Texto Espanhol

Feminismo radical

Política Sexual – Kate Millet

A dialética do sexo – parte I e parte II

Shulamith Firestone e os papéis atribuídos às mulheres

A Humanidade não é uma espécie animal é uma realidade histórica

Shulamith Firestone e o materialismo dialético

Feminilidade, Heterosexualidade e Sindrome de Estocolmo

Adeus a tudo isso

A guerra religiosa contra as mulheres – excerto de A guerra contra as mulheres de Marilyn French

Porno-facismo: a pornografia como educação para a guerra

Destruindo o argumento machista de que as feministas odeiam os homens

Feminismo Radical – livros e textos para entender. Coletânea

Não coloque seu namorado na frente das suas companheiras de luta – como o heterocentrismo no feminismo machuca mulheres

Ah, Pinóquio

Falando Sobre Gênero

Teoria Queer e Violência Contra a Mulher – Sheila Jeffreys

Como as Políticas do Orgasmo Sequestraram o Movimento Feminista – Sheila Jeffreys

Introdução de “Unpacking Queer Politics” Sheila Jeffreys

Uma Conversa Sobre a Questão Trans

Uma Crítica Feminista ao “Cisgênero” Elizabeth Hungerford

Políticas Identitárias Lésbicas

A desconstrução enquanto destruição das mulheres

O que significa ser uma feminista radical

Relembre, resista, não se conforme! – ANDREA DWORKIN

O que é feminismo mesmo, hein?!


Um movimento político e social que luta para acabar com as diferenças de gênero.

Um movimento que questiona as relações hierárquicas estabelecidas na sociedade.

Um movimento que trabalha para desnaturalizar as relações heteronormativas buscando a liberdade de orientação sexual, questionando o papel da mulher dentro desse padrão obrigatório de feminilidade e heterossexualidade, buscando o direito da mulher a seu corpo e prazer .

Um movimento que quer estabelecer  a igualdade social, política, econômica, cultural e sexual entre mulheres e homens.

Feminismo é odiado porque as mulheres são odiadas. Antifeminismo é uma expressão direta de misoginia; é a defesa política do ódio às mulheres. Andrea Dworkin

Um movimento que almeja o fim da misoginia e sexismo.

Apesar de todos os avanços, a dupla moral segue qualificando as mulheres em santas ou putas.

Um movimento das mulheres, para as mulheres e pelas mulheres que prega a empatia, a solidariedade e lealdade entre as mulheres que unidas combaterão a opressão, a discriminação e a violência de que temos  sido vítimas ao longo de milênios de patriarcado.

O feminismo não baseia sua ação na busca pela superioridade feminina e sim na igualdade, na equiparação da mulher em direitos, em oportunidades e no tratamento que recebe da sociedade.

Um feminismo que busque resultados mas não mude as estruturas e que ainda preserve os estereótipos da feminilidade. Esse o modelo de feminismo que querem impor.

Feminismo quer o fim do patriarcado, porque é um sistema opressor, que prega, perpetua e impõe a dominação masculina em todas as áreas, em todos os lugares e em todas as culturas.

Feminismo provoca as mais diversas reações que vão da ridicularização ao repúdio. Mas como se sabe,  o feminismo não mata ninguém, mas o machismo mata todo dia. Pergunta respondida.

Essa dominação masculina reflete numa situação, onde as mulheres é que  são as mais discriminadas, oprimidas e exploradas com:  subemprego, com a perda do emprego em situações de crise, remuneração menor pelo mesmo trabalho,  são as que mais perdem quando os governos com a desculpa de combater crises  cortam benefícios sociais,  violência doméstica, maioria das crianças em idade escolar fora das  escolas e em conseqüência disso, somos a maioria dos analfabetos do mundo, estupros, estupros de guerra, incesto, assédio sexual nas ruas, no trabalho e  etc, mutilação genital, crimes por honra,  somos estigmatizadas por nossa vida sexual e não temos direito de escolha em casos de gravidez não desejada, prostituição, prostituição da pornografia, tráfico de seres humanos para escravidão, exploração sexual, tráfico de órgãos,  maioria dos refugiados de guerra são mulheres e crianças, o corpo da mulher aviltado de todas as formas na publicidade e em todas as mídias, jornada tripla de trabalho e também somos as que mais produzem alimentos e as que menos temos  a posse da terra. É pouco?

Misoginia. O desprezo pela condição feminina e redução da mulher a seu órgão sexual.

Por isso o feminismo é tão repudiado. Lutar pela liberdade das mulheres, para que elas deixem de ser o outro sexo, aquele sexo, o sexo inferior, o sexo que foi relegado a um papel de inferioridade e de exploração, que trabalha silenciosamente dentro dos lares, mantendo o capitalismo livre de assistir as crianças em todas as idades, os idosos, os inválidos, os doentes , pois é com o trabalho doméstico das mulheres que essas pessoas são cuidadas e a sociedade capitalista e patriarcal eximida de investir em creches, em hospitais ou mesmo prestar auxílio nas residências. E pela exploração e não qualificação das mulheres mantidas em casa, sempre serão mão-de-obra barata que pode ser acionada a qualquer momento e também descartada.

Nenhuma mulher almeja ser tratada como uma boneca inútil e frágil, por isso dispensamos o cavalheirismo. Preferimos respeito.

O feminismo denuncia a misoginia, o sexismo, a discriminação que faz com que sejamos tratadas como objeto sexual, como mão-de-obra barata e de segunda categoria, como escravas domésticas,  como reprodutoras da raça humana em que ao mesmo tempo em que nos querem restringir a essa função, nos discriminam por sermos mães e nos negam trabalho e  tratamento digno durante a gravidez.

Sempre existe um lugar onde a mulher tem que cumprir o seu papel de objeto submisso, passivo. Não há escapatória. Mulher assertiva sexualmente que impõe limites e sabe de seus desejos e se recusa a ser  usada não é aceito, é mesmo repudiado.

O feminismo ao denunciar e conscientizar as mulheres de sua opressão é que as instrumentaliza para reagir a esses condicionamentos, que são sim, mantidos para que o homem continue num patamar de superioridade em relação ás mulheres, pois um homem explorado e oprimido dentro do patriarcado capitalista sempre tem o consolo de oprimir as mulheres.

O sexismo discrimina, desvaloriza e demoniza a mulher. No patriarcado que valoriza a masculinidade só homens mijam em pé e seguram seus valorizados órgãos sexuais, às mulheres inferiores e femininas resta o sexo como obrigação porque sem tesão e por dinheiro, se  reivindicam estão brigando sem razão e por serem sempre categorizadas como putas são aquelas que se casam por interesse.

A opressão é um fato. Ela está em todas as sociedades do planeta. Não há sociedade no mundo onde as mulheres, só por serem mulheres, não sofram algum tipo de discriminação. Só a conquista do direito ao trabalho, a estudar,  não garante à mulher sua total emancipação. É preciso desconstruir TODOS os valores que contribuem para que a mulher seja tratada como sujeito inferior dentro  de uma sociedade que se  construiu a partir de premissas que colocaram os homens em situação privilegiada em relação às mulheres.

Feminismo denuncia que a perpetuação desses valores é que mantém a  opressão feminina e contribuem para a naturalização, geração após geração,  de toda forma de discriminação que as mulheres sofrem.

Ainda não entenderam que a eleição de uma mulher foi um marco político no Brasil, porque nunca houve uma presidentA antes dela, por isso fazemos questão de nomeá-la no feminino.

O feminismo muito fez pela mulheres e ainda tem muito o que fazer.

Enquanto abrimos novas frentes de luta, continuamos batalhando para solidificar aquilo que já conseguimos. Nossa luta é constantemente renovada e nunca nos faltam razões para sairmos em busca de melhorias para as mulheres, porque o patriarcado não deixou de existir, muito pelo contrário,  resiste e tenta a todo custo se manter. Mas nós não desistimos, seguiremos juntas até que tod@s sejamos livres!

Textos sobre a situação das mulheres:
Mulheres são maioria entre jovens fora da escola e do mercado de trabalho http://migre.me/3Pn5p
Hundreds of women die for “honour” each year http://bit.ly/i4sZSL
Mulher chefia apenas 5% das grandes empresas no Brasil http://migre.me/3LOZh
El aborto, un delito para mujeres pobres; la clandestinidad las mata http://bit.ly/fSZ4wg
Dez mulheres são mortas por dia no país, aponta Instituto Zangari http://bit.ly/cWPY0H
Estupro e proteção insuficiente http://migre.me/2mjFG
Tráfico de mulheres e prostituição  http://migre.me/8D6Bg
Existem sociedades onde meninas sofrem maus tratos por parte dos pais por não serem meninos http://migre.me/2oXCU
A imagem da mulher como atrativo na Propaganda http://www.partes.com.br/ed37/emquestao.asp
A mulher Negra Brasileira http://migre.me/3QrSh
Direitos, feminismo e opressão social http://migre.me/3QsC8
Trabalho doméstico continua feminino http://migre.me/3Rj51
Mulheres sofrem violência em maternidades públicas  http://migre.me/3Roiq
Muito pior para elas, negras e mulheres  http://migre.me/3Rooh

Machismo mata. Feminicídio: do privado ao público; do ‘passional’ à associação criminosa


O assassinato de mulheres por questões de gênero, o feminicídio, é um crime cada vez mais reconhecido e há muito denunciado. Mas, a sua reprodução histórica apresenta mudanças que não podemos deixar despercebidas. Essas mudanças indicam mecanismos de atualização cotidiana da violência praticada contra as mulheres no contexto de relações desiguais de gênero que persistem, ainda que já exista uma consciência mundial e nacional contrária a tal desigualdade. No Brasil, apesar da Lei Maria da Penha, instrumento de criminalização dessa violência contra a mulher os crimes contra mulheres se sucedem de forma mais evidente.

Temos assistido nos últimos anos a mídia nacional, particularmente a mídia televisiva, apresentar casos de assassinatos de mulheres por seus ex-companheiros ou companheiros de relacionamento amoroso, que chamam a atenção por sua visibilidade, brutalidade e, em certo sentido, por uma inevitabilidade. Assim o foram os fatos que circunstanciaram as mortes de Maria Islaine de Morais, 31 anos (20/01/2010); Eloá Cristina Pimentel, 15 anos (16/10/2008), Mercia Nakashima, 28 anos (23/05/2010) e Elisa Samudio, 25 anos (desaparecida desde 4/06/2010): todos contendo elementos que indicam a emergência de novos procedimentos no processo do feminicídio do qual foram vítimas.

Identifico como novos procedimentos que indicam mudanças nas circunstâncias dos feminicídios: 1) a realização desses crimes em lugares públicos, sob as vistas de testemunhas, bem como, 2) a formação de associações criminosas para a sua efetivação.

Do privado ao público – a espetacularização do ódio ao feminino

Em se tratando de assassinato de mulher por seus parceiros ou ex-parceiros afetivos e sexuais, o mais comum, tradicional, é aparecer o cadáver da mulher e depois a investigação identificar o feminicida. Eliane de Gramont, assassinada em 30 de março de 1981, aos 26 anos, enquanto cantava no Café Belle Époque, em São Paulo, por seu ex-marido, o também cantor Lindomar Castilho que desferiu cinco tiros em suas costas, deve ter sido o primeiro feminicídio famoso cometido publicamente.

Em Fortaleza, no dia 4 de julho de 2006, o ex-marido de Célia Marilac de Oliveira, 46 anos, assassinaria a ex-mulher à facada na fila de banco de um Shopping Center do Centro da cidade. Mais recentemente, em 2008, assistimos por 59 horas através das redes nacionais de televisão o drama de Eloá, do inicio do sequestro até a sua morte por seu ex-namorado. E as câmeras de um circuito interno de um salão de beleza gravaram a cena do feminicídio de sua funcionária, Maria Islaine (que estava sob medidas protetivas da Lei Maria da Penha), por seu ex-marido que lhe desferiu nove tiros.

Podemos nos perguntar: “O que significa a procura de exposição ao público destes crimes por parte do assassino?”. O fato do feminicida não se preocupar em ocultar e, mais ainda, seu querer dar publicidade à sua ação criminosa, revela a vontade de afirmação pública da força e domínio do macho em ‘retomar’ um espaço de poder que ele tradicionalmente demarcava como próprio e que as atitudes de ‘sua’ mulher estão ameaçando. É como se, em sua pretensa hegemonia nas relações de gênero, ele dissesse, em voz bem alta: “Aqui quem manda sou eu”. Uma segunda consideração nos sugere que a procura da telinha da TV para fazer conhecer suas ações criminosas contra a mulher, se torna para o macho uma forma de angariar consensos dos demais machos do seu bando. Mas os novos palanques dos crimes de gênero só fazem ligar os holofotes sobre a crise da hegemonia de uma categoria social em sua guerra contra a afirmação humanizante do feminino nas relações de gênero e na sociedade.

Da reação individual à associação criminosa

Os casos mais recentes de feminicídio que ainda estão na mídia, também chamam a atenção pelo fato de envolverem uma associação criminosa para matar as mulheres. Misael Bispo, que contratou um amigo, vigilante, para ajudá-lo a matar Mércia Nakashima. E Bruno, que mobilizou aproximadamente 10 pessoas no assassinato de Elisa Samudio. Um problema que normalmente é vivido individualmente pelo homem, torna-se uma questão para um crime coletivo, por formação de quadrilha. Em um caso, no de Mércia, embora haja indícios de um contrato financeiro, evidencia-se a relação de amizade e lealdade do ajudante com o feminicida; fato que no caso de Bruno essa relação entre todos os participantes é indubitável, envolvendo não somente amigos homens, mas também mulheres, namoradas atuais e ex.

O feminicídio vai ganhando a característica de “pistolagem”, de encomenda, no qual técnicas profissionais de matar e esconder (desintegrar) o corpo tornam-se ingredientes de práticas de matar mulheres, intensificando a crueldade e o ódio na busca de destruição do feminino e de seus significados. A punição pela não sujeição dessas duas mulheres aos seus parceiros foi brutal: uma por não querê-lo e a outra por confrontá-lo e expô-lo publicamente. A arrogância dos seus feminicidas transparece até na atitude de confrontarem o país negando o que está evidente, mas que ainda necessita de fundamento técnico e jurídico para a imputação de culpa e punição.

A espetacularização e a associação criminosa para a efetuação de feminicídios parecem expressar novas formas de sujeição e de violência contra as mulheres, desenvolvidas como reação patriarcal aos avanços na conquista de direitos humanos e da emancipação das mulheres pelas lutas feministas.

Maria Dolores de Brito Mota

http://www.ciranda.net/brasil/article/feminicidio-do-privado-ao-publico

%d blogueiros gostam disto: