O macho, arma de destruição em massa


A violência e as guerras sempre estiveram dominadas por um viés de gênero 70% das mulheres sofrem algum tipo de agressão durante a sua vida

Uma mulher aterrorizada é conduzida por um soldado nos arredores de Bangui, capital da República Centro-Africana. / JEROME DELAY (AP)

Uma das notícias mais alvissareiras de 2014 é a abertura de negociações com o regime iraniano em torno do seu programa nuclear. Com razão, a comunidade internacional se preocupa com a proliferação dessas armas, daí que, de forma excepcional, no outro lado da mesa encontremos EUA, Rússia, China e a União Europeia atuando unidos. Mas, apesar da incrível capacidade de destruição dessas armas, há quem sustente que elas não têm tanto de excepcional; são, dizem, nada mais que muitas toneladas de explosivos juntas. Não lhes falta um pouco de razão: o genocídio mais importante da história, cometido contra o povo judeu, não exigiu armas nucleares, como tampouco foram necessários mais do que algumas dezenas de milhares de facões de fabricação chinesa para liquidar os 800.000 tutsis que faleceram no genocídio ruandês. As aproximadamente 135.000 vítimas de Hiroshima desafiam nossa compreensão, mas o mesmo vale também para os quase 300.000 mortos na batalha de Verdun. A crua realidade é que, desde a noite dos tempos, o ser humano mostrou uma incrível capacidade de matar, de fazê-lo em massa e sustentadamente, e para isso se valeu de qualquer coisa ao seu alcance: um facão, uma AK-47, explosivos convencionais ou bombas atômicas.

Um momento: “o ser humano”? Não exatamente. Na prática, a totalidade de todas essas mortes tem em comum um fato tão relevante como invisível no debate público: que foram homens que os cometeram. A história militar não deixa lugar a nenhuma dúvida: os Exércitos sempre foram formados por homens, os quais foram os executores quase exclusivos desse tipo de violência, e suas principais vítimas. É verdade que guerrilhas e grupos terroristas historicamente incluíram mulheres, às vezes muito sanguinárias (na Espanha, por desgraça, conhecemos o fenômeno), mas a violência bélica nas mãos das mulheres foi uma gota em um oceano. O resultado, apesar de conhecido, não é por isso menos trágico: só no século XX, as vítimas desses conflitos desencadeados e executados por homens custaram a vida de entre 136 e 148 milhões de pessoas.

Dir-se-á que as guerras são coisas do passado, típicas de sociedades pré-democráticas. Mas como explicar então o viés de gênero que domina a violência em nossas sociedades? Não falamos de sociedades atávicas, mas sim de sociedades ocidentais, democracias plenas onde, como nos Estados Unidos, as estatísticas nos indicam que 90% de todos os homicídios cometidos entre 1980 e 2005 foram de autoria masculina, ao passo que apenas 10% tiveram mulheres como responsáveis. De todos esses homicídios, um pouco mais de dois terços (68%) foram cometidos por homens contra homens, enquanto em um quinto deles (21%) um homem matou uma mulher. Embora haja, de fato, mulheres que matam homens, esses crimes representaram apenas 10% de todos os homicídios, ao passo que, significativamente, o percentual de mulheres que mataram outras mulheres foi ridículo (2,2%). Assim, portanto, as mulheres não matam mulheres, só homens, e em grande parte em legítima defesa. Claro que os EUA são uma sociedade mais violenta do que outras, mas os dados da Espanha, Reino Unido ou outros países de nosso entorno não são muito diferentes: reveladoramente, a população penitenciária espanhola está composta em 90% por homens e em 10% por mulheres. Assim como na guerra, o homicídio e, em geral, o crime parecem ser fenômenos quase puramente masculinos.

Os efeitos de uma cultura patriarcal dominada por homens são tão demolidores que dá a impressão de que se trava no mundo uma guerra (invisível, porém guerra) de homens contra mulheres. Segundo as Nações Unidas, 70% das mulheres experimentaram alguma forma de violência ao longo de sua vida, sendo uma em cada cinco do tipo sexual. Incrivelmente, as mulheres entre 15 e 44 anos têm mais probabilidade de serem atacadas por seu cônjuge ou violentadas sexualmente do que de sofrerem de câncer ou se envolverem em um acidente de trânsito. Na Espanha e em outros países europeus, quase metade das mulheres vítimas de homicídios tiveram seus cônjuges como algozes, frente a 7% de homens, o que significa que a probabilidade de uma mulher morrer nas mãos do parceiro é seis vezes superior à de um homem com relação à parceira.

A violência sexual contra as mulheres é onipresente e constitui um dos capítulos mais vergonhosos, e mais silenciados, da história dos conflitos bélicos. Isso apesar das evidências de que essa violência não só foi consentida como também estimulada como arma de guerra. Segundo Keith Lowe, autor do livro Continente Selvagem, a Segunda Guerra Mundial bateu todos os recordes de violência sexual, especialmente contra as mulheres alemãs, à medida que o Exército soviético entrava na Alemanha (calcula-se que 2 milhões delas foram estupradas como consequência de uma política de vingança sexual deliberada). Hoje em dia, a ONU estima em 200.000 os estupros ocorridos na República Democrática do Congo, uma cifra similar à oferecida para Ruanda. Longe da África, no coração da Europa educada, o estupro também foi uma arma de guerra interétnica no conflito da antiga Iugoslávia, onde se estima que entre 20.000 e 50.000 mulheres tenham sido sexualmente violentadas. A isso se soma uma longa lista de crimes que só as diferenças de gênero podem explicar, os quais incluem o aborto seletivo de meninas, os crimes de honra, o tráfico de mulheres com fins de exploração sexual e a mutilação sexual, que afeta 130 milhões de mulheres. Nem é preciso entrar nas sutilezas da discriminação política, econômica e social, um fato em si muito revelador da subordinação generalizada da mulher: o nível de violência física contra as mulheres no mundo já diz tudo. Alguns descrevem a violência exercida contra as mulheres em decorrência apenas no seu gênero como “feminofobia”. Por que esse termo não nos soa familiar, nem qualquer outro semelhante?

rape

Reconheçamos: os homens são a maior arma de destruição em massa que a história da humanidade já viu, e há 3,5 bilhões deles à solta por aí. Podemos proibir as armas grandes, as armas pequenas, as minas terrestres, as bombas de fósforo ou de fragmentação, as armas bacteriológicas, químicas e nucleares, mas no final estaremos sempre no mesmo lugar: por trás de cada arma haverá um homem. Por isso as Nações Unidas adotaram várias iniciativas de alcance mundial, recorrendo para tanto ao próprio Conselho de Segurança, que, em sua Resolução 1.325 de 31 de outubro de 2000, tornou visível pela primeira vez a necessidade de uma proteção explícita e diferenciada às mulheres e meninas em cenários de conflito, assim como a contribuição fundamental que as mulheres fazem e devem fazer no que tange à resolução de conflitos e a construção da paz.

Existem muitas explicações possíveis, e complexas, sobre esses fatos. Tampouco são fáceis as respostas que devemos dar, e muito menos as medidas a adotar. Mas os fatos estão aí, e são incontestáveis: os homens matam e se matam, muito, e exercem muita violência contra as mulheres. Entretanto, o debate público sobre esse fato é inexistente. Antes que repostas, esse debate exige perguntas, na verdade uma só pergunta: seriam os homens uma arma de destruição em massa?

*José Ignacio Torreblanca é professor de Ciência Política na Universidade Nacional de Educação a Distância. Dirige o escritório em Madri do Conselho Europeu de Relações Exteriores e é autor de diversos livros.

In El País

A guerra contra as mulheres. Textos relacionados:

fem

A guerra pessoal dos homens contra as mulheres

A guerra cultural contra as mulheres

A Guerra Religiosa Contra as Mulheres

Fúria covarde dos homens: mulheres são alvo de violência no mundo inteiro

tumblr_n0j2bvnujE1qhzx2po1_500

Conheça os riscos que as mulheres enfrentam pelo mundo

Rape in War

“The Invisible War”

Researcher links porn to violence against women

A guerra civil brasileira dos feminicídios

Negras são vítimas de mais de 60% dos assassinatos de mulheres no país

Os ataques com ácido contra as mulheres

A guerra contra as mulheres: estupros como arma de guerra

A guerra contra as mulheres – um texto em defesa dos nossos direitos!

Estupro é problema global, diz estudo das Nações Unidas

Uma mulher é estuprada no Brasil a cada 12 segundos

‘Estupro corretivo’ vitimiza lésbicas e desafia poder público no Brasil

‘Cantadas’ na rua ampliam debate sobre assédio sexual e direitos da mulher

Pornografia celebra a violência contra a mulher

Monstruosidade: Mulher foi sequestrada, escravizada e forçada a ter relações sexuais com 60 homens por dia

Blogues e grupos em redes sociais reúnem jovens com discurso misógino e extremista

Los hombres reelaboran el discurso feminista para mantener intacta su posición social

Cresce diferença salarial entre homens e mulheres no Brasil

Exclusão social ainda é pior para a mulher negra

A violência contra a mulher e o capitalismo

A desigualdade entre homens e mulheres no cinema

Estatuto do Nascituro prevê reconhecimento do filho pelo estuprador

O Estatuto do Nascituro e o terror

Padre diz que pedofilia é culpa da criança

Do “cliente” ao proxeneta, a banalização da prostituição

A vida de uma prostituta: “Se fere ou não a mulher, os homens não se importam.”

Desprotegidas: como a legalização da prostituição falhou

Devemos nos preocupar se a Pornografia sequestrou nossa sexualidade?

A pornografia é uma questão da esquerda

Sim, pornografia é racista

Ver pornografia na internet faz crianças acharem que estupro é comportamento normal

Registros de estupro no Brasil cresceram 157% em 4 anos

Violência doméstica matou 30 mil mulheres nos últimos 30 anos em SP

Jovem é punida na Índia com estupro coletivo decidido por conselho comunitário

‘Woman attacked on bamboo platform for all to watch’

Women in their own words, from 15 countries in which has been used as a weapon

Prison rape basically legal: Despite rampant sex abuse, guards are rarely prosecuted & fewer than 1% are convicted

Most important line: women’s recent job gains have been concentrated in low-wage sectors (retail, hospitality, etc.)

Girls on a Map: novo aplicativo incentiva turismo sexual

A guerra religiosa contra as mulheres: “Papa apoia manifestação antiaborto nos Estados Unidos”

Sem título

Registros de abuso sexual contra crianças aumentam em 79% em delegacia do Rio

Maioria dos abusos sexuais contra crianças acontece dentro de casa

Polícia Rodoviária localiza mais de 1800 pontos d exploração sexual infantil nas estradas

Às vésperas da Copa do Mundo, exploração sexual infantil é preocupação em sedes

Meninas pobres e violentadas sexualmente são as maiores vítimas de exploração sexual

Machismo está por trás de exploração sexual de crianças e adolescentes, diz especialista

Casamentos forçados: noivas crianças

‘Some girls have been married 60 times by the time they turn 18′

A verdade sobre os casamentos forçados no Paquistão

Agencia confirma morte de menina de 8 anos após casamento forçado

tumblr_mz5akeAI3z1ryt2d4o1_1280

Jackson Katz: Violência contra a mulher — é uma questão masculina

Sem Máscaras – um desafio para os homens

AD

 

Viva a Mulher!


Viva a mulher que trabalha, porque ela tem resistido bravamente às campanhas contra os seus próprios interesses e não se intimida quando tentam convencê-la de que conjugar a vida privada com a vida profissional é querer demais. Porque não se acovarda quando a mídia tenta fazê-la vestir roupas desconfortáveis em nome da uma feminilidade pré-fabricada. Ela compra roupas confortáveis e define a feminilidade de acordo com as próprias necessidades.

Um viva a você, irmã que trabalha, porque quando exortada a se afastar do movimento feminista abraçou seus princípios e o chamou do nome mais conveniente, naquele momento. E mais vivas, porque quando finalmente as portas se abriram às novas oportunidades, atravessou-as corajosamente, deixando-as abertas para as mulheres que a seguiram. Um viva a você, amiga trabalhadora, porque humanizou os locais de trabalho e teve a coragem de se rebelar contra o assédio sexual. Reivindicou horários mais flexíveis, creches para os filhos e licença-maternidade.

A igualdade precisa de exemplos, e você, mulher, que eu tanto respeito e admiro, será a conquistadora vitoriosa da virada do século. Não se desespere se os tribunais não a protegem. É a espantosa eficiência feminina que os enfurece agora. Mas a história nunca recuou e os reacionários jamais tiveram seus nomes lembrados para a posteridade.  Alguém se lembra dos homens que lutaram contra o direito ao voto da mulher? Nós conhecemos e reverenciamos apenas as mulheres que trabalharam para conquistar esse direito. Suas heras são espíritos lutadores: Elizabeth Cady, que há cem anos lutou pelo direito da mulher em ter os próprios rendimentos; Suzan B. Anthony, incansável na luta pelo direito ao voto da mulher; Alice Paul, criadora da Emenda da Igualdade de Direitos, que até hoje não se transformou em lei.

Sua campanha perseverante, junto a empresários e governantes, contra a exploração de mulheres e crianças nos locais de trabalho ajudou a abrir mentes e a conscientizar a coletividade no sentido de aceitar as mulheres como trabalhadoras capazes. Você quebrou o gelo! Mas ainda não atingiu o seu objetivo. Vivemos a Era da Informação e este é o momento de agir, amiga! Já se percebe que algumas profissões estão ficando ultrapassadas enquanto outras estão nascendo. O mercado financeiro está mudando; seu cérebro e sua força de vontade são mais importantes do que a necessidade de humilhá-la e acuá-la com salários baixos e servidão. Hoje você compõe a maioria da população que trabalha. Você, companheira, tem minha admiração e minha gratidão. Obrigada por sua competência e perseverança.

Zsuzsanna Budapest in A Deusa no Escritório

Sim, nós merecemos todos os vivas que pudermos enumerar, mas como a autora do texto apontou, ainda não atingimos nossos objetivos e a nossa eficiência tem enfurecido os conservadores como nunca antes. Muito já conseguimos e muito ainda temos que lutar para conseguir.

No Brasil os patriarcas religiosos e seus representantes no Congresso, estão lutando para aprovar o Estatuto do Nascituro e outras leis que prejudicam as mulheres nos seus direitos reprodutivos.

Não podemos deixar que nossos direitos retrocedam. Este é o momento e essa a nossa hora, vamos?

8 de março, dispensamos a rosa. Preferimos respeito e igualdade!


Este texto mostra a tentativa de tornar a data de luta e reivindicação das mulheres num evento inócuo e que não espelha nem um pouco o seu real significado. Publico porque tudo o que está aqui é a mais pura verdade.

No dia 8 de março, dispense a rosa.


Marjorie Rodrigues

Dia 8 de março seria um dia como qualquer outro, não fosse pela rosa e os parabéns. Toda mulher sabe como é. Ao chegar ao trabalho e dar bom dia aos colegas, algum deles vai soltar: “parabéns”.

Por alguns segundos, a gente tenta entender por que raios estamos recebendo parabéns se não é nosso aniversário (exceção, claro, à minoria que, de fato, faz aniversário neste dia). Depois de ficar com cara de bestas, num estalo a gente se lembra da data, dá um sorriso amarelo e responde “obrigada”, pensando: “mas por que eu deveria receber parabéns por ser mulher?”.

Mais tarde, chega um funcionário distribuindo rosas. Novamente, sorriso amarelo e obrigada. É assim todos os anos. Quando não é no trabalho, é em alguma loja. Quando não é numa loja, é no supermercado. Todos os anos, todo 8 de março: é sempre a maldita rosa.

Dizem que a rosa simboliza a “feminilidade”, a delicadeza. É a mesma metáfora que usam para coibir nossa sexualidade – da supervalorização da virgindidade é que saiu o verbo “deflorar” (como se o homem, ao romper o hímen de uma mulher, arrancasse a flor do solo, tomando-a para si e condenando-a – afinal, depois de arrancada da terra, a flor está fadada à morte). É da metáfora da flor, portanto, que vem a idéia de que mulheres sexualmente ativas são “putas”, inferiores, menos respeitáveis.

A delicadeza da flor também é sua fraqueza. Qualquer movimento mais brusco lhe arranca as pétalas. Dizem o mesmo de nós: que somos o “sexo frágil” e que, por isso, devemos ser protegidas. Mas protegidas do quê? De quem? A julgar pelo número de estupros, precisamos de proteção contra os homens. Ah, mas os homens que estupram são psicopatas, dizem. São loucos. Não é com estes homens que nós namoramos e casamos, não é a eles que confiamos a tarefa de nos proteger. Mas, bem, segundo pesquisa Ibope/Instituto Patricia Galvão, 51% dos brasileiros dizem conhecer alguma mulher que é agredida por seu parceiro. No resto do mundo, em 40 a 70 por cento dos assassinatos de mulheres, o autor é o próprio marido ou companheiro.Este tipo de crime também aparece com frequência na mídia. No entanto, são tratados como crimes “passionais” – o que dá a errônea impressão de que homens e mulheres os cometem com a mesma frequência, já que a paixão é algo que acomete ambos os sexos. Tratam os homens autores destes crimes como “românticos” exagerados, príncipes encantados que foram longe demais. No entanto, são as mulheres as neuróticas nos filmes e novelas. São elas que “amam demais”, não os homens.

Mas a rosa também tem espinhos, o que a torna ainda mais simbólica dos mitos que o patriarcado atribuiu às mulheres. Somos ardilosas, traiçoeiras, manipuladoras, castradoras. Nós é que fomos nos meter com a serpente e tiramos o pobre Adão do paraíso (como se Eva lhe tivesse enfiado a maçã goela abaixo, como se ele não a tivesse comido de livre e espontânea vontade). Várias culturas têm a lenda da vagina dentata. Em Hollywood, as mulheres usam a “sedução” para prejudicar os homens e conseguir o que querem. Nos intervalos do canal Sony, os machos são de “respeito” e as mulheres têm “mentes perigosas”. A mensagem subliminar é: “cuidado, meninos, as mulheres são o capeta disfarçado”. E, foi com medo do capeta que a sociedade, ao longo dos séculos, prendeu as mulheres dentro de casa. Como se isso não fosse suficiente, limitaram seus movimentos com espartilhos, sapatos minúsculos (na China), saltos altos. Impediram-na que estudasse, que trabalhasse, que tivesse vida própria. Ela era uma propriedade do pai, depois do marido. Tinha sempre de estar sob a tutela de alguém, senão sua “mente perigosa” causaria coisas terríveis.

Mas dizem que a rosa serve para mostrar que, hoje, nos valorizam. Hoje, sim. Vivemos num mundo “pós-feminista” afinal. Todas essas discriminações acabaram! As mulheres votam e trabalham! Não há mais nada para conquistar! Será mesmo? Nos últimos anos, as diferenças salariais entre homens e mulheres (que seguem as mesmas profissões) têm crescido no Brasil, em vez de diminuir. Nos centros urbanos, onde a estrutura ocupacional é mais complexa, a disparidade tende a ser pior. Considerando que recebo menos para desempenhar o mesmo serviço, não parece irônico que o meu colega de trabalho me dê os parabéns por ser mulher?

Dizem que a rosa é um sinal de reconhecimento das nossas capacidades. Mas, no ranking de igualdade política do Fórum Econômico Mundial de 2008, o Brasil está em 10oº lugar entre 130 países. As mulheres têm 11% dos cargos ministeriais e 9% dos assentos no Congresso – onde, das 513 cadeiras, apenas 46 são ocupadas por elas. Do total de prefeitos eleitos no ano passado, apenas 9,08% são mulheres. E nós somos 52% da população.

A rosa também simboliza beleza. Ah, o sexo belo. Mas é só passar em frente a uma banca de revistas para descobrir que é exatamente o contrário. Você nunca está bonita o suficiente, bobinha. Não pode ser feliz enquanto não emagrecer. Não pode envelhecer. Não pode ter celulite (embora até bebês tenham furinhos na bunda). Você só terá valor quando for igual a uma modelo de 18 anos (as modelos têm 17 ou 18 anos até quando a propaganda é de creme rejuvenescedor…). Mas mesmo ela não é perfeita: tem de ser photoshopada. Sua pele é alterada a ponto de parecer de plástico: ela não tem espinhas nem estrias nem olheiras nem cicatrizes nem hematomas, nenhuma dessas coisas que a gente tem quando vive. Ela sorri, mas não tem linhas ao lado da boca. Faz cara de brava, mas sua testa não se franze. É magérrima (às vezes, anoréxica), mas não tem nenhum osso saltando. É a beleza impossível, mas você deve persegui-la mesmo assim, se quiser ser “feminina”. Porque, sim, feminilidade é isso: é “se cuidar”. Você não pode relaxar. Não pode se abandonar (em inglês, a expressão usada é exatamente esta: “let yourself go”). Usar uma porrada de cosméticos e fazer plásticas é a maneira (a única maneira, segundo os publicitários) de mostrar a si mesma e aos outros que você se ama. “Você se ama? Então corrija-se”. Por mais contraditória que pareça, é esta a mensagem.

Todo dia 8 de março, nos dão uma rosa como sinal de respeito. No entanto, a misoginia está em toda parte. Os anúncios e ensaios de moda glamurizam a violência contra a mulher. Nas propagandas de cerveja e programas humorísticos, as mulheres são bundas ambulantes, meros objetos sexuais. A pornografia mainstream (feita pela Hollywood pornô, uma indústira multibilionária) tem cada vez mais cenas de violência, estupro e simulação de atos sexuais feitos contra a vontade da mulher. Nos videogames, ganha pontos quem atropelar prostitutas.

Todo dia 8 de março, volto para casa e vejo um monte de mulheres com rosas vermelhas na mão, no metrô. É um sinal de cavalheirismo, dizem. Mas, no mesmo metrô, muitas mulheres são encoxadas todos os dias. Tanto que o Rio criou um vagão exclusivo para as mulheres, para que elas fujam de quem as assedia. Pois é, eles não punem os responsáveis. Acham difícil. Preferem isolar as vítimas. Enquanto não combatermos a idéia de que as mulheres que andam sozinhas por aí são “convidativas”, propriedade pública, isso nunca vai deixar de existir. Enquanto acharem que cantar uma mulher na rua é elogio , isso nunca vai deixar de existir. Atualmente, a propaganda da NET mostra um pinguim (?) dizendo “ê lá em casa” para uma enfermeira. Em outro comercial, o russo garoto-propaganda puxa três mulheres para perto de si, para que os telespectadores entendam que o “combo” da NET engloba três serviços. Aparentemente, temos de rir disso. Aparentemente, isso ajuda a vender TV por assinatura. Muito provavelmente, os publicitários criadores desta peça não sabem o que é andar pela rua sem ser interrompida por um completo desconhecido ameaçando “chupá-la todinha”.

Então, dá licença, mas eu dispenso esta rosa. Não preciso dela. Não a aceito. Não me sinto elogiada com ela. Não quero rosas. Eu quero igualdade de salários, mais representação política, mais respeito, menos violência e menos amarras. Eu quero, de fato, ser igual na sociedade. Eu quero, de fato, caminhar em direção a um mundo em que o feminismo não seja mais necessário.

…Enquanto isso não acontecer, meu querido, enfia esta rosa no dignissímo senhor seu cu.

http://pixelporpixel.wordpress.com/2009/03/04/hello-world/

%d blogueiros gostam disto: