Livros Feministas


O que é feminismo

O segundo sexo I Simone de Beauvoir

O segundo sexo II Simone de Beauvoir

A Mistica feminina Betty Friedan

A vindication of the rights of women Mary Wollstonecraft

Memórias da transgressão Glora Steinem

Teoria feminista Andrea Nye

Politica Sexual Kate Millet

A mulher eunuco

Um amor conquistado Elisabeth Badinter

O mito da beleza Naomi Wolf

Gordura é uma questão feminista Susie Orbach

Backlash Susan Faludi

O feminismo mudou a ciencia Londa Schienbinger

Genero corpo conhecimento Jaggar e Bordo

Genero sexualidade e educação Guacira Lopes

Corpo feminino em debate Matos e Soihet

Genero e ciencias humanas Neuma Aguiar

Marcadas a ferro vários autores

Olhares feministas vários autores

Luta, substantivo feminino

Genero feminismos e ditaduras no cone sul

Reflexoes feministas sobre informalidade e trabalho doméstico

Os monólogos da vagina Eve Ensler

Mulheres de Cabul

Pão e Rosas Andrea D’atri

Eu nem imaginava que era estupro Robin Warshaw

Sexualidade da mulher brasileira: corpo e classe social no Brasil Rose Marie Muraro

The Industrial Vagina:  The political economy of the global sex trade  Sheila Jeffreys

Feminismo e luta das mulheres

Creches públicas garantir o direito das mulheres ao trabalho e ao estudo

Por uma vida sem violência

Where We Stand Class Matters – bel hooks

We Real Cool Black Men Masculinity – bell hooks

Feminism is for Everybody bell hooks 

Against pornography _ 1 of 5

Against pornography _ 2 of 5

Against pornography _ 3 of 5

Against pornography _ 4 of 5

Against pornography _ 5 of 5

Our Blood – Andrea Dworkin

Andrea Dworkin I

Andrea Dworkin II

Andrea Dworkin III

Andrea Dworkin IV

Andrea Dworkin V

Against Our Will

Feminist Thought a More Comprehensive Intro

Theorizing Patriarchy – Sylvia Walby

A dialética do sexo – parte I e parte II

Textos interessantes:

O cálice e a espada Riane Einsler

F.A.Q. Feminista

O Dilema do Homem Branco – A procura do que deve ser destruído – Maria Mies

Quando feministas tomam conta de homens

Mulher, Povo Colonizado

Feminilidade, Heterossexualidade e a Síndrome de Estocolmo

Adeus a Tudo Isso de Robin Morgan

Lei Maria da Penha

Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher

Prostitution is sexual violence

Coletânea de textos sobre feminismo

Igualdade de oportunidades para as mulheres Eva Alterman Blay

As guerras religiosas contra as mulheres _excerto de A guerra contra as mulheres de Marilyn French

A origem da família da propriedade privada e do estado Engels

O que acontece com a vida das mulheres que tiveram um aborto negado?

28/09 _ Dia Latinoamericano pela legalização do aborto na América Latina e Caribe

Mitos e fatos sobre violência sexual

Como as ações feministas e as ações antiprostituição estão realmente interligadas?

A pornografia é uma questão da esquerda

Legalização da Prostituição ou Institucionalização da Escravatura Sexual?

Prostituição e tráfico de seres humanos

8 de março, dispensamos a rosa. Preferimos respeito e igualdade!

Mulheres negras recebem até 172% menos

Sexismo na linguagem: algumas notas

Sexismo hostil e benevolente: inter-relações e diferenças de gênero

Do “cliente” ao proxeneta, a banalização da prostituição

Sim, pornografia é racista

A violência contra a mulher e o capitalismo

Prostituição: Direitos das Mulheres ou Direitos SOBRE as Mulheres?

O que é machismo?

Por que feminismo radical?

A dominação masculina

Infiel Ayaan Ali

Um teto todo seu

Uma Conversa Sobre Questão Trans

Uma Crítica Feminista ao Cisgênero – Elizabeth-Hungerford1-1

Tradução – Introdução de “Radical Feminism Today”

Feminismo Radical História Política Ação – Robyn-Rowland-e-Renate-Klein-parte

O que acontece com a vida das mulheres que tiveram um aborto negado?


Este é o primeiro estudo científico a fornecer respostas.

 

Aborto é um procedimento médico amplamente discutido e pouco estudado. Existem alguns estudos de validade duvidosa que conectam aborto a doenças mentais e uso de drogas. Os políticos têm usado esses estudos para justificar maiores limitações para mulheres que pensam em fazer aborto nos Estados Unidos e no Brasil a questão também é polêmica. Não havia esforço algum para estudar o que acontece com as mulheres que querem abortar, mas não podem devido às regras restritivas. Pelo menos até agora. Um novo estudo longitudinal revela o que acontece com a sua posição econômica, saúde e relacionamento depois de tentar fazer um aborto e ele ser negado.

 

Pesquisadores de saúde pública junto com o grupo Advancing New Standards in Public Health (ANSIRH) da Universidade de São Francisco usaram dados de 956 mulheres que procuraram uma das 30 clínicas de aborto dos Estados Unidos que fizeram parte do estudo. 182 dessas mulheres tiveram o aborto negado.

Os pesquisadores, liderados por Diana Foster Greene, procuraram essas mulheres e fizeram intensas entrevistas com elas. Algumas conseguiram abortar com facilidade, algumas precisaram lutar para consegui-los, e outras tiveram o aborto negado porque a gestação havia passado alguns dias além do limite aceito pelas clínicas locais. Há duas semanas o grupo de pesquisa apresentou o que elas aprenderam, depois de quatro dos cinco anos planejados para o seu estudo, na conferência da Associação de Saúde Pública Americana em São Francisco.

Eis aqui um resumo do que eles descobriram, retirado de um post que eles fizeram na página do Facebook da pesquisa:

Nós descobrimos que não há consequências na saúde mental de uma mulher que fez o aborto comparadas àquelas que mantiveram uma gravidez indesejada até o fim. Existem outras descobertas interessantes: mesmo um aborto tardio é mais seguro do que dar à luz. Além disso, mulheres que aguentaram até o fim da gravidez indesejada são três vezes mais propensas a estarem abaixo da linha da pobreza dois anos depois, quando comparadas as que fizeram um aborto.

Abaixo, você encontrará a versão mais longa e complexa da história. Eu conversei com Greene sobre as descobertas preliminares do grupo.

Pobreza

As mulheres no estudo estavam em posições econômicas comparáveis entre si no momento que procuraram as clínicas de aborto. No grupo que teve o aborto negado, 45% estavam recebendo ajuda do governo e dois terços tinham renda inferior à linha de pobreza dos Estados Unidos. Um dos maiores motivos que as mulheres citam para fazer aborto é a falta de dinheiro e, baseado na renda das que foram rejeitadas, parece que elas estão certas.

Entre a maioria das mulheres que tiveram abortos rejeitados, 86% estavam vivendo com seus bebês um ano depois. Apenas 11% tinham colocado os bebês para adoção. Também um ano depois, elas estavam muito mais propensas a depender de ajuda do governo – 76% das que tiveram o aborto rejeitado estavam recebendo uma espécie de seguro desemprego, enquanto só 44% das que conseguiram abortar estavam na mesma situação. 67% do grupo das que tiveram o aborto negado estavam abaixo da linha da pobreza (contra 56% das mulheres que fizeram abortos) e apenas 48% tinham um emprego de período integral (contra 58% das mulheres que fizeram abortos).

Quando uma mulher não pode receber o aborto que deseja, ela tem maior probabilidade de acabar desempregada, dependendo de ajuda do governo e abaixo da linha da pobreza. Outra conclusão que podemos chegar é que negar aborto às mulheres coloca um fardo maior para o estado porque estas novas mães aumentam a dependência em programas de assistência pública.

Violência e uso de drogas

No estudo, os pesquisadores não encontraram diferenças estatisticamente significativas no uso de drogas comparando as mulheres que fizeram o aborto e as que não fizeram. Aparentemente não há uma correlação entre aborto e o aumento no uso de drogas. Um dado interessante que elas encontraram foi o que mostrou que usuárias de drogas que não conseguiram fazer abortos eram mais propensas a doar seus filhos para adoção.

Infelizmente, quando se trata de violência doméstica, ter um aborto negado faz uma grande diferença. Mulheres que tiveram o aborto negado eram mais propensas a ficar em um relacionamento com um parceiro abusivo do que mulheres que fizeram abortos. Um ano depois de ter o aborto negado, 7% relataram um caso de violência doméstica nos últimos seis meses. 3% das mulheres que abortaram relataram violência doméstica no mesmo período. Green enfatizou que o motivo das mulheres se envolverem em relacionamentos abusivos não era ter o aborto rejeitado. O aborto simplesmente permitiria que as mulheres saíssem desse tipo de relacionamento com mais facilidade. Então é provável que esses números realmente reflitam uma queda na violência doméstica para mulheres que abortam, no lugar de um aumento entre as que não conseguiram abortar.

Este padrão de violência também é parte de um padrão de comportamento mais amplo, que mostra que mulheres que têm abortos negados são mais propensas a permanecer em um relacionamento com os pais de seus filhos. Obviamente, isso não é sempre algo bom, como as estatísticas de violência mostram. Mas mesmo na vasta maioria dos casos onde não há violência envolvida, Greene notou que estes homens não estavam morando com as mães de seus filhos.

Os pesquisadores perguntaram às mulheres sobre morar com seus parceiros e descobriram que os homens não estariam mais propensos a morar com uma mulher que deu a luz à seu filho, do que eles estariam a morar com uma mulher que fez um aborto. “O cara não continua por perto só porque você teve o bebê – essa é a maneira mais simples de dizer isso,” Green disse.

Emoções

Uma das maiores preocupações sobre o aborto é que ele causaria problemas emocionais que levariam à depressão clínica. O estudo abordou a questão sob dois pontos de vista: como as mulheres que fizeram abortos e as que não fizeram se sentiam; e se elas desenvolveram depressão clínica. “É importante lembrar que como você se sente é uma questão separada da questão ‘você tem ou não um problema de saúde mental’”, Greene disse. Nós iremos entrar na questão das emoções aqui, e discutir a saúde mental na próxima seção.

Os pesquisadores disseram no encontro da Associação de Saúde Pública Americana que “uma semana depois do aborto, 97% das mulheres que conseguiram abortar sentiram que o aborto foi a decisão certa; 65% das que tiveram o aborto recusado ainda desejavam ter conseguido abortar”. Também uma semana depois do aborto negado, estas mulheres tinham maior sensação de ansiedade do que as mulheres que tinham abortado. As mulheres que fizeram abortos, em sua maioria (90%), disseram se sentir aliviadas, apesar de algumas também se sentirem tristes e culpadas depois. Todavia, esses sentimentos naturalmente desapareceram em ambos os grupos. Um ano depois, não havia diferença na ansiedade ou depressão entre os grupos.

Em outras palavras, o estudo não encontrou indícios que havia emoções negativas prejudiciais e duradouras associadas em fazer um aborto. A única diferença emocional entre os dois grupos um ano depois foi que as mulheres que tiveram o aborto negado estavam mais estressadas. Elas estavam mais propensas a dizer que sentiam como se tivessem mais coisas para fazer do que realmente conseguiam.

Nada disso resultava em depressão clínica. “Aborto e depressão não parecem diretamente ligados”, disse Greene. “Apesar disso, nós iremos continuar a acompanhar essas mulheres por cinco anos. Então podemos encontrar algo mais para frente”.

Saúde física e mental

O estudo examinou a questão da saúde mental das mulheres a partir de vários pontos de vista e não encontrou evidências de que o aborto poderia ser ligado ao aumento de distúrbios mentais. Eles descobriram que o grupo de mulheres que teve o aborto negado tinha mais riscos de saúde ao dar à luz. Mesmo abortos em estágios avançados da gravidez eram mais seguros que dar à luz. Os pesquisadores disseram no encontro da APHA:

Nós descobrimos que complicações na saúde física são mais comuns e graves depois do parto (38% passaram por limitações nas atividades, por 10 dias em média) comparadas com o aborto (24% tiveram limitações nas atividades, por 2.7 dias em média). Não houve nenhuma complicação grave após o aborto; já as complicações pós-parto incluíram convulsões, fratura na pélvis, infecção e hemorragia. Nós não encontramos diferenças  em condições crônicas de saúde depois de uma semana ou um ano depois do aborto.

Se você olhar para todos esses dados juntos, surge uma nova visão do aborto e como os governos querem lidar com isso. Para economizar dinheiro em projetos de assistência pública, deve-se facilitar o acesso ao aborto. Além disso, existem evidências fortes de que facilitar o aborto irá permitir que as mulheres fiquem mais saudáveis e com situação financeira melhor. Ao negar aborto às mulheres, nós arriscamos manter tanto as mulheres quanto seus filhos em situação de pobreza – e, possivelmente, no caminho da violência doméstica.

Leia mais sobre esses estudos no resumo da American Public Health Association aqui e aqui.

Este estudo foi custeado totalmente através de doações. Se você quiser apoiar mais pesquisas sobre a vida de mulheres que tiveram o aborto negado ao redor do mundo, por favor considere doar para o Global Turnaway Study no Indie GoGo.

In http://jezebel.uol.com.br/o-que-acontece-com-a-vida-das-mulheres-que-tiveram-um-aborto-negado/

Por que feminismo radical?


Porque os orgasmos dos homens não são mais importantes que:

bebês.
animais.
as mulheres.
sanidade.
direitos humanos.
objetos inanimados que os homens fetichizam.

Porque as mulheres não são:

matrizes de reprodução.
empregadas domésticas.
bonecas de prazer.
prostitutas felizes.
objetos.
vagabundas, vadias *.
sujas.
a raiz de todo mal.
sacos de pancada.
perfeitas vítimas de assassinato.
santas.
putas.

Porque a prostituição não é:

empoderador.
uma escolha.
uma maneira rápida e fácil de ganhar dinheiro.
um caminho mais fácil.
não traumatizante.
uma questão de consentimento.
um trabalho como qualquer outro.
bom para algumas mulheres.
trabalho.

Porque ser mulher não é redutível a:

O que veste.
os nossos penteados.
o que nós consumimos.
o tamanho do nosso corpo.
quão forte nós somos.
uma performance.
uma idéia na cabeça de um homem.
que tipo de veículo dirigimos.
se nós pintamos nossas unhas ou não.
se nós amamos as mulheres ou homens ou ambos ou nenhum.
estereótipos.

Porque as crianças não são:

trabalhadoras infantis do sexo.

Porque vítimas de tráfico sexual não são:

Profissionais do sexo migrantes.

* Nenhuma mulher é uma vadia, nem mesmo VOCÊ,  ‘vadia’ das marchas.

In Anti-porn Feminists

Tradução: Arttêmia Arktos

Textos relacionados:

Radical feminism: Just making it up as we go along.

Feminismo Radical História Política Ação – Robyn-Rowland-e-Renate-Klein-parte

Introdução de “Radical Feminism Today”
Denise Thompson

Feminismo Radical – Texto Espanhol

Feminismo radical

Política Sexual – Kate Millet

A dialética do sexo – parte I e parte II

Shulamith Firestone e os papéis atribuídos às mulheres

A Humanidade não é uma espécie animal é uma realidade histórica

Shulamith Firestone e o materialismo dialético

Feminilidade, Heterosexualidade e Sindrome de Estocolmo

Adeus a tudo isso

A guerra religiosa contra as mulheres – excerto de A guerra contra as mulheres de Marilyn French

Porno-facismo: a pornografia como educação para a guerra

Destruindo o argumento machista de que as feministas odeiam os homens

Feminismo Radical – livros e textos para entender. Coletânea

Não coloque seu namorado na frente das suas companheiras de luta – como o heterocentrismo no feminismo machuca mulheres

Ah, Pinóquio

Falando Sobre Gênero

Teoria Queer e Violência Contra a Mulher – Sheila Jeffreys

Como as Políticas do Orgasmo Sequestraram o Movimento Feminista – Sheila Jeffreys

Introdução de “Unpacking Queer Politics” Sheila Jeffreys

Uma Conversa Sobre a Questão Trans

Uma Crítica Feminista ao “Cisgênero” Elizabeth Hungerford

Políticas Identitárias Lésbicas

A desconstrução enquanto destruição das mulheres

O que significa ser uma feminista radical

Relembre, resista, não se conforme! – ANDREA DWORKIN

Entradas Mais Antigas Anteriores

%d blogueiros gostam disto: